Roça Orgânica na Escola Municipal Indígena “Tengatui Marangatu”

Desafio para Aprendizagem Pedagógica

  • Cajetano Vera Escola Municipal Indígena “Tengatui Marangatu”
  • Maristela Aquino Insfra
  • Clotildes Martins Morais
Palavras-chave: Saberes indígenas, plantio consorciado, etnossustentabilidade, Agroecologia

Resumo

O presente artigo irá descrever o Projeto Roça Orgânica na Escola Municipal Indígena Tengatui Marangatu: Desafios para Aprendizagem Pedagógica. Localizada na Aldeia Jaguapiru Dourados/MS. A Reserva Francisco Horta Barbosa é um cenário étnico/social complexo, habitada por pessoas das etnias Guarani Nhandeva, Kaiowá, Terena e mestiços.  Possui uma população de 15 mil indígenas confinados em uma área de 3.600 hectares. Tendo em vista que na comunidade há falta de alimentos, o projeto teve por objetivo realizar uma demonstrativa, na modalidade cultura consorciado/policultivo de produção Agroecológica, onde a produção será usada na merenda escolar, também produzir banco de sementes, resgatar práticas de cultivos tradicionais e contribuir no processo de ensino-aprendizagem dos alunos. A Roça foi organizada dentro de um espaço de 12 mil metros quadrados de terra. Durante o mês de outubro e novembro de 2017, após o preparo do solo, os alunos iniciaram o plantio com sementes de variedades crioulas, com 10 mil pés de variedades de ramas de mandiocas, dentre esses espaços foram plantadas variedades de milhos: indígenas e pipoca, feijões, arroz e batatas. Durante o ciclo do plantio foram realizados momentos de limpeza com alunos e parceiros.  Na semana dos Povos Indígenas, realizada no mês de abril de 2018, ocorreu a festa da colheita dos cultivares, foram colhidos milhos, mandioca, arroz, batatas e feijões. AS mandiocas e outros produtos colhidos contribuíram na merenda escolar, parte foram doadas para a comunidade e o restante embalados e guardados no deposito da escola.

Publicado
2018-12-27