Efeito de Óleos Essências Sobre o Crescimento Micelial in Vitro, de Fusarium solani

  • Tayane Oliveira Barbieri Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
  • Gabriel Ferreira Paiva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
  • Brenda Virgínia Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
  • Gustavo Henrique Silveira de Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
  • Francisco Teixeira Gonçalves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Mentha arvensis, Eucalyptus citriodora, Fusarium solani, Pós-colheita.

Resumo

O Brasil se encontra no terceiro lugar mundial como produtor de frutas devido ao seu clima tropical, superando 40 milhões de toneladas por ano, produzindo desde frutas tropicais como abacaxi, mamão, manga até as de clima temperado, como uvas. Porém a produtividade é prejudicada pela alta incidência de doenças oportunistas, principalmente causadas pelos fungos (cerca de 80% das infecções), que penetram no fruto causando seu apodrecimento devido a danos mecânicos causados na colheita e pós-colheita. Sendo o Fusarium solani um dos principais causadores de podridões de fruto. Atualmente o principal método de controle é o químico com uso de fungicidas, porém com o aumento de informações e conscientização da sociedade sobre os possíveis malefícios causados pela utilização continua e excessiva de agroquímicos, se busca medidas e alternativas para o controle dessas doenças, o que mostra a importância deste trabalho que visa demonstrar o potencial de controle de  Fusarium solani com uso de dois óleos essenciais como futuros biofungicidas, o de Mentha arvensis e Eucalyptus citriodora, os quais por serem extratos de plantas não causam danos ambientais e a saúde humana e que neste trabalho se mostraram adequados para o controle do Fusarium solani, inibindo grande parte ou até por total o crescimento micelial.

Publicado
2019-01-04