Sustentabilidade da Agricultura Familiar em Assentamentos Rurais da Região de Dourados, MS através do Agroextrativismo

  • Julio Cesar Pereira Lobtchenko Universidade Federal da Grande Dourados
  • Larissa Oliveira Vilela
  • Juliana Pogliesi Fernades Figueiredo
  • Zefa Valdivina Pereira
  • Milton Parron Padovan
Palavras-chave: Indicadores, Cerrado, Economia Solidária

Resumo

O extrativismo sustentável desempenha importante papel na formação econômica e social dos estados e do país. No Mato Grosso do Sul, o cerrado cobria originalmente mais de 60% do estado, hoje contudo restam apenas 17%, dessa forma, estimular e valorizar o uso sustentável da sociobiodiversidade do Cerrado constitui, uma estratégia fundamental, para conservação dos poucos remanescente ainda existentes. Este trabalho objetivou avaliar a sustentabilidade socioeconômica e ambiental  de familiares agroextrativistas do Assentamento Lagoa Grande, Município de Dourados MS através do MESMIS. O estudo foi realizado com vinte famílias que são associadas a Associação Sabores do Cerrado do Assentamento Lagoa Grande, Distrito de Itahum, Dourados, MS. Para a avaliação das áreas, utilizou-se de indicadores baseado no método MESMIS – Marco de Avaliação de Sistemas de Manejo de Recursos Naturais Incorporando Indicadores. Dos indicadores avaliados os indicadores sociais foram os que receberam as melhores pontuações, demonstrando assim que o extrativismo sustentável e a comercialização dos produtos  na universidade, melhorou significativamente a qualidade de vida dos associados do Associação Sabores do Cerrado do Assentamento Lagoa Grande. Através dos indicadores avaliados pode-se concluir que o extrativismo consciente, através de tecnologias sociais desenvolvidas pela economia solidária no município de Dourados,  promove  sustentabilidade para a Agricultura Familiar de Assentamentos rurais do Cerrado pois conserva a diversidade biológica e sociocultural,  promove a comércio justo  e solidário, combate a desigualdade, promove a criatividade, cooperação, alinhamento e respeito aos ciclos da natureza provedora.

Publicado
2018-12-28
Seção
AGROECOL - Uso e Conservação dos Recursos Naturais