Comercialização de pescado: o caso do município de Laranjeiras do Sul, PR

  • RENATO PAULO GLOWKA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
  • Marcos Weingartner
  • Betina Muelbert
Palavras-chave: peixes; aquicultura; piscicultura; comercialização

Resumo

A criação de organismos aquáticos tem se destacado de forma crescente devido à demanda por pescado ter aumentado e as fontes naturais possuírem estoques limitados com tendência ao esgotamento. Dentre os diversos obstáculos existentes para que a atividade atinja os objetivos e traga renda ao produtor está a comercialização. No município de Laranjeiras do Sul-PR este aspecto se agrava, pois as fontes de dados e informações de produção e comercialização são desencontradas. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi diagnosticar a produção e comercialização do pescado em Laranjeiras do Sul – PR, de forma a gerar informações para subsidiar as políticas de expansão da piscicultura local. Foram visitados inicialmente 74 possíveis pontos de comercialização, e mensalmente durante oito meses aqueles estabelecimentos que comercializam o pescado sob suas diferentes formas. O mapeamento dos canais de comercialização mostrou que, exceto o pescado comercializado na feira do peixe vivo e nos pesque-pague, todo o restante comercializado em supermercados ou mercados, restaurantes ou lanchonetes, peixaria, ou através de intermediários no município provém de outros municípios, estados e até países. Foram identificados 25 fornecedores. Também foi constatado que em toda região centro-sul do Paraná não existem abatedouros ou frigoríficos de peixes, tornando este também um entrave para o aumento da produção, comercialização e consumo do pescado. Foram identificadas 32 espécies comercializadas sendo30 identificadas nos mercados, 16 nos restaurantes e apenas 10 nos pesque-pague. A espécie mais comercializada em todos os tipos de estabelecimentos é a tilápia (34 toneladas), representando mais de 75% de todo o pescado comercializado no município durante o período analisado, e com preço médio do filé em R$ 33,97 kg-1. As informações obtidas demonstram a necessidade de maior divulgação, ampliação dos canais de comercialização e políticas públicas para fomentar a atividade no município e região.

Publicado
2019-02-15