Crédito e seguro agrícola para a agricultura familiar: a distância entra as políticas públicas e a sustentabilidade

  • CAPELLESSO, Adinor José Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Câmpus São Miguel do Oeste (IFSC-SMO)
  • CAZELLA, Ademir Antonio Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: agroecologia, ação pública, ideias, interesses, instituições

Resumo

Este estudo teve por objetivo analisar como a ação pública de crédito rural e seguro agrícola
gera estímulos ou restrições, que afetam o processo decisório dos agricultores familiares
quanto à adoção dos preceitos da sustentabilidade. O referencial teórico dos “Três Is” aponta
para a necessidade de identificar e explicar como as ideias, interesses e instituições orientam
a tomada de decisão dos formuladores, operadores e beneficiários de políticas públicas. Para
isso realizou-se estudo de caso na região Extremo Oeste Catarinense com entrevistas semiestruturadas
junto a responsáveis de 37 estabelecimentos agropecuários e vinte operadores
locais dessas políticas públicas. Ao oferecerem estímulos à adoção de insumos industriais
enquanto persistem entraves operacionais na produção agroecológica, conclui-se que o Programa
Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar e o Seguro da Agricultura Familiar
têm desestimulado a adoção de sistemas e técnicas que atendem um conjunto mais amplo de
preceitos da sustentabilidade. Ou seja, tais políticas públicas perpetuam as ideias, interesses
e instituições que caracterizaram a modernização conservadora, persistindo grandes dificuldades
operacionais para institucionalizar as ideias e interesses da sustentabilidade.

Publicado
2018-08-22