Produção de biojóias e geração de renda de artesãs na comunidade Jamaraquá, Belterra, Pará

  • SANTOS, Misael Freitas dos Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA
  • COSTA, Daniele Lima da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, Instituto de Biodiversidade e Florestas – IBEF
  • GAMA, João Ricardo Vasconcelos Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA
  • SOUSA, Iara Rayana Leal de Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, Instituto de Biodiversidade e Florestas – IBEF
  • FREITAS, Bruna Bandeira de Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, Instituto de Biodiversidade e Florestas – IBEF
Palavras-chave: Produtos florestais não madeireiros, Unidade de Conservação, Amazônia

Resumo

As populações tradicionais na Amazônia utilizam diversos produtos florestais não madeireiros
(PFNMs) para geração de renda. O objetivo desse estudo foi descrever o custo de produção
de biojóias e analisar a composição de renda mensal das artesãs da comunidade Jamaraquá,
Flona Tapajós, Belterra, Pará. Foram realizadas entrevistas com sete famílias produtoras de
biojóias da comunidade. Em 2015 a renda média mensal das famílias foi de R$ 1.138,57. A comercialização
de biojóias representou 24,4% da renda, em meses de alta temporada (janeiro
e julho), apenas 15% conseguem manter as despesas mensais somente com a produção de
biojóias. Todas as famílias recebem algum tipo de bolsa governamental, as quais representam
33,4% da renda mensal. As artesãs também trabalham com turismo, que compõe 34,1% da
renda familiar mensal. Conclui-se que as principais fontes de renda são bolsa governamental
e turismo, a biojóia é considerada, pelas artesãs, uma fonte de renda complementar.

Publicado
2018-08-19