Uso da Adubação Verde na Produção de Bulbos de Cebola em Sistema Irrigado

  • Cristiane Ferrari Bezerra Santo Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Guilherme Augusto Biscaro Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Thamiris Barbizan Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Patricia dos Santos Zomerfeld Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Karoline Kovalleshi Bertoldo Drehmer Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Evair da Silva Ferreira Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • João Manoel Teixeira da Silva Solinftec
  • Douglas Coimbra da Silva Engenheiro Agrônomo
Palavras-chave: plantas de cobertura, fertilização, nutrição, adubos verdes, Fabaceae.

Resumo

O desenvolvimento do bulbo é afetado pela disponibilidade hídrica, temperatura, fotoperíodo, tamanho e idade fisiológica da planta e suprimento de nitrogênio. Para a produção de bulbos comerciáveis o manejo de irrigação e nutrientes devem ser adequados. A adubação verde é uma estratégia que pode contribuir para a disponibilização nutrientes minerais no solo. O objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito de diferentes espécies de adubos verdes no diâmetro transversal e longitudinal do bulbo de híbridos de cebola cultivados em sistema irrigado. O experimento foi realizado na Universidade Federal da Grande Dourados, em Dourados – MS, cujo o solo é classificado como Latossolo Vermelho distroférrico, de textura muito argilosa e o clima da região como tipo Aw, com inverno seco, precipitação média anual de 1500 mm e temperatura média de 22 ºC. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com parcelas subdivididas, quatro repetições, cinco sistemas de cultivo - Testemunha (vegetação espontânea); cultivo de cebola em sucessão ao Milheto (Pennisetum glaucum); cultivo de cebola em sucessão a Feijão-de-porco (Canavalia ensiformis); cultivo de cebola em sucessão a Mucuna-preta (Mucuna aterrina); cultivo de cebola em sucessão a Crotalária-júncea (Crotalaria juncea) e dois cultivares híbridos de cebola (Andromeda F1 e Aquarius F1).  A unidade experimental foi constituída por canteiro de 5,4 x 1,0 m, três fileiras de cultivo de cebola, com espaçamentos de 0,30 m entrelinhas e 0,10 m entre plantas, sendo as mudas de cebolas transplantadas sob o resíduo vegetal da espécie de adubo verde correspondente a cada parcela.  O sistema de irrigação foi via gotejamento, com uma linha de irrigação para cada linha de cultivo. O manejo da irrigação foi realizado utilizando o aparelho eletrônico “HidroFarm”, que leva em consideração o estado hídrico do solo. Aos 114 DAT, foi realizada manualmente a colheita da cebola, sendo as plantas mantidas em processo de cura por 15 dias. Foram avaliados: o diâmetro longitudinal do bulbo e o diâmetro transversal do bulbo. Conclui-se que a utilização das espécies de Mucuna-preta, Crotalária-júncea e Feijão-de-porco propicia maiores valores de diâmetro transversal do bulbo, enquanto o  Milheto e Crotalária-júncea proporciona valores maiores de diâmetro longitudinal. O híbrido Andromeda apresenta desempenho produtivo superior com maior valor de diâmetro longitudinal do bulbo em condições locais de cultivo.

Publicado
2020-11-20