Controle natural de Acanthoscelides obtectus Say em Sementes Crioulas de Feijão –caupi no Seridó Oriental da Paraíba

  • Andreza Lúcio da Costa Instituto Federal da Paraíba/Laboratório de Sementes
  • Josefa Juciara Sousa de Freitas Instituto Federal da Paraíba/Laboratório de Sementes
  • Damila Karen Cardoso de Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Biologia
  • Djair Alves de Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Biologia
Palavras-chave: Método alternativo de controle de insetos; Solanum paniculatum L.; Insetos-praga.

Resumo

O emprego de inseticidas naturais no controle de pragas de grãos armazenados mostra-se bastante promissor, pois a possibilidade de se controlarem as condições ambientais no interior das instalações de armazenamento, propiciando a maximização da atividade inseticida. O experimento foi conduzido no Laboratório de Sementes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), campus Picuí – PB. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualisado com 5 tratamentos e 4 repetições, as doses utilizadas para o experimento foram (0,0; 2,0; 4,0; 6,0; 8,0 gramas) de pó de jurubeba. Os parâmetros analisados para o experimento foram: O número de insetos vivos (NIV), número de insetos mortos (NIM) Os resultados foram analisados através do Sistema Computacional SISVAR, os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e comparação de médias pelo teste de F (p<0,05) quanto aos efeitos das doses, foram ajustadas as equações de regressão. A análise de variância detectou que o número de insetos vivos (NIV) e o número de insetos mortos (NIM) apresentaram efeito significativo O pó de jurubeba (Solanum paniculatum L) mostrou-se eficiente no controle de Acanthoscelides obtectus Say. A taxa de mortalidade da espécie A. obtectus S. foi influenciada diretamente pela dosagem e pelo tempo de exposição. Nos grãos de feijão caupi (Vigna unguiculata L.) o gorgulho A. obtectus S. obteve cerca de 87,5% de mortalidade na dose de 6 g do pó de jurubeba, e 82 % de mortalidade no período de armazenamento.

Publicado
2020-11-20