Produtividade e Qualidade de Espigas e de Sementes de Milho Crioulo Produzidas em Diferentes Doses de Biofertilizante Suíno

  • Hemelyn Soares Magalhães ICA - UFMG – Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Beni Nzamu Iluku ICA - UFMG – Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
  • José Victor Maurício de Jesus ICA - UFMG – Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Delacyr da Silva Brandão Junior ICA - UFMG – Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Márcia Martins ICA - UFMG – Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Fernando Colen ICA - UFMG – Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Zea mays L., sementes crioulas, adubação orgânica

Resumo

Devido à grande importância da cultura do milho no país e buscando o aproveitamento de dejetos de suínos na adubação orgânica, este trabalho analisou a produção, produtividade e qualidade de sementes de milho crioulo, produzidas com diferentes doses de biofertilizante de dejetos suínos. Foram utilizadas cinco doses de biofertilizante suíno (0, 50, 100, 150, 200% da dose de fósforo recomendada para o milho), em blocos ao acaso e com quatro repetições, sendo avaliados parâmetros relacionados com a produtividade do milho e a qualidade das sementes. A partir dos resultados obtidos, foi possível observar que as doses de biofertilizante suíno tiveram efeitos positivos no empalhamento das espigas; alteraram significativamente o diâmetro do colmo e a altura da planta, mas não afetaram a produtividade de grãos e os demais componentes de produção. Há a necessidade de mais estudos em relação ao uso agrícola do biofertilizante suíno, como o uso de doses mais altas e o parcelamento da aplicação.

Publicado
2020-11-20