Emergência de Plântulas e Vigor de Sementes de Fava

  • Vinicius da Costa Mandu Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Campus III
  • Gilvaneide Alves de Azerêdo Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Campus III
  • Higor José da Silva Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Campus III
  • João Henrique Constantino Sales Silva Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Campus III
  • Edângerly da Silva Araújo Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Campus III
Palavras-chave: grãos, qualidade fisiológica, Phaseolus lunatus L.

Resumo

A fava é uma leguminosa cujos grãos são consumidos em muitas regiões do Brasil, sobretudo, no Nordeste. Diante da importância dessa espécie, este trabalho objetivou avaliar a viabilidade de sementes de dez variedades de fava. A semeadura foi feita no substrato areia, em bandejas plásticas perfuradas na base. Foram utilizadas quatro repetições de 25 sementes por tratamento, sendo cada tratamento correspondente a uma variedade de fava. As variáveis avaliadas foram: emergência (%), índice de velocidade de emergência (IVE) e tempo médio de emergência (TME). Os maiores percentuais de emergência foram observados na seguinte sequência: mororó > cara larga > raio de sol > rainha > cavalo claro > orelha de vó > rajada. Não foi constatada a emergência de plântulas para as variedades: ovo de lagartixa, fava feijão e feijão branco. Os maiores valores de emergência (%) e IVE foram observados na variedade mororó. A qualidade fisiológica das sementes de fava difere em função das variedades. As sementes da variedade mororó demostraram elevada qualidade fisiológica.

 

Publicado
2020-11-25