Genótipos de milho utilizados para a produção de Minimilho e forragem em sistema de cultivo orgânico

  • Olívia Marianny de Oliveira Santos Graduanda em Engenharia Agronômica, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL)
  • Paulo Ricardo dos Santos Universidade Federal do Cariri (UFCA)
  • Maxwel Rodrigues Nascimento Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Campos dos Goytacazes-RJ
  • Fábio Cunha Coelho Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Campos dos Goytacazes-RJ
  • Kleyton Danilo da Silva Costa Graduando em Engenharia Agronômica, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL)
  • Lyara Suzhanny de Oliveira Santos Bióloga, Colégio de Educação Básica ALFA
  • Francismária Freitas de Lima Graduanda em Engenharia Agronômica, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL)
  • Helena Thays Rodrigues Filgueira Graduanda em Engenharia Agronômica, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL)
Palavras-chave: Milho, Crotalária, Agrossistemas

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de avaliar variedades comerciais e crioula de milho para produção de minimilho e forragem em sistema orgânico de produção. O experimento foi realizado em três etapas, a primeira foi constituída pelo plantio de crotalária (Crotalaria juncea L.), como pré-cultivo para formação da palhada para adubação verde. Na segunda etapa, foi realizado o cultivo das cultivares de milho, para produção de minimilho e, na terceira etapa, após a colheita do minimilho, foram realizadas avaliações para verificar o potencial como forragem das plantas de milho de cada cultivar. Os tratamentos consistiram das cultivares de milho: 1) variedade crioula Fortaleza – Muqui/ES; 2) variedade crioula Aliança – Muqui/ES; 3) variedade BR 106; 4) variedade Capixaba Incaper 203; 5) variedade Eldorado e 6) milho híbrido triplo BM 207 – Biomatrix. O delineamento experimental foi em blocos casualizados (DBC) com quatro repetições, totalizando 24 unidades experimentais.  As variáveis analisadas foram: REND: rendimento de espigas comerciais (%), MTE: massa total de espigas (t ha-1), DCP: diâmetro do colmo da planta (mm), PMS: peso da matéria seca da parte aérea do milho (kg ha-1), CEC: comprimento das espigas comerciais (cm), NEP: número de espigas por planta (espigas ha-1) , NTE: número total de espigas (espigas ha-1), NEC: número de espigas comerciais (espigas ha-1) e NENC: número de espigas não comerciais (espigas ha-1).

Publicado
2020-11-25