O TRABALHO DAS MULHERES RURAIS E A CONSERVAÇÃO DO CERRADO NA APA DO RIO VERMELHO, GOIÁS

  • Stéfanny da Cruz Nóbrega
Palavras-chave: Agricultura Familiar; Área de Proteção Ambiental; Conservação do Cerrado; Divisão Sexual do Trabalho

Resumo

Este artigo versa sobre pesquisa desenvolvida no Nordeste Goiano, inserido na Política Pública
Território da Cidadania do Vale do Paranã, mais especificamente no Território da Área de Proteção
Ambiental das Nascentes do Rio Vermelho. O objetivo central foi apreender, a partir do trabalho
cotidiano das mulheres rurais, práticas de manejo ambiental que contribuem para a proteção da
biodiversidade do Cerrado. Em suma, como estas se relacionam com o solo, com a água, com a
vegetação nativa. Para tanto, foi adotada como metodologia a realização de trabalhos de campo,
com o apoio das ferramentas caderno de campo e registros fotográficos durante a realização de
diversos momentos, tais como: a caminhada transversal nos quintais e comunidades, entrevista
semiestruturada. A leitura das histórias, conversas, registros, momentos experienciados com essas
mulheres foi feita a partir das categorias de análise gênero e território. Com isso, foi possível
compreender que a relação dessas mulheres com a terra e com a produção de alimentos vai além
da lógica do capital, diz respeito a relações socioculturais de outro tipo, que tem suas raízes na
memória biocultural. A intenção deste trabalho é reconhecer, registrar e dar visibilidade à história
das mulheres rurais, seus afazeres e luta como parte do reconhecimento de que são sujeitos
políticos, produtoras e detentoras de saberes indispensáveis para a reprodução do campesinato.

Publicado
2021-07-14
Seção
Trabalhos apresentados sobre Mulheres, Feminismos e Agroecologia