O arroz ecológico Terra Livre: desenvolvimento e empoderamento social

Palavras-chave: Agroecologia, Reforma Agrária, Agricultura Familiar, Sustentabilidade

Resumo

A produção orgânica vem assumindo uma inegável importância. No Rio Grande do Sul, se destaca a produção orgânica de arroz em assentamentos de reforma agrária. Assim, o objetivo deste trabalho abordar a experiência da produção do arroz ecológico Terra Livre, considerando pontos importantes nesse processo. A metodologia utilizada nesta pesquisa é de cunho qualitativo a partir da análise dos dados obtidos nas entrevistas realizadas em profundidade, além de uma revisão bibliográfica e documental. Na safra de 2016/2017, foram produzidas 550 mil sacas por 616 famílias em 22 assentamentos e 16 municípios diferentes. Essa produção é comercializada com a marca Terra Livre e certificada como produto orgânico. Na atualidade, o principal desafio apontado pelos assentados é a comercialização, especialmente devido ao recente declínio das políticas públicas para a agricultura familiar. Apesar disso, os resultados dessa iniciativa demonstram a importância de um projeto alicerçado em uma agricultura familiar mais sustentável como força motriz de um processo de desenvolvimento diferenciado e com compromisso social.

Biografia do Autor

Germano Ehlert Pollnow, Universidade Federal de Pelotas

Engenheiro Agrônomo graduado pela Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (FAEM), Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Mestre em Agronomia pelo Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar (PPG SPAF), Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Atualmente, é estudante de doutorado no PPG SPAF/UFPel e bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Exerce suas atividades de pesquisa, extensão e ensino junto ao Núcleo de Pesquisa e Extensão em Agroecologia e Políticas Públicas para Agricultura Familiar (NUPEAR/UFPel). Trabalhou como extensionista rural junto ao Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA - Núcleo Pelotas). Tem experiência na área de ciências agrárias, atuando principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, agroecologia, extensão rural, certificação participativa, certificação de orgânicos, indicações geográficas, mercados institucionais, desenvolvimento rural e sucessão familiar. Representante do corpo discente do PPG SPAF no período 2019-2020.

Nádia Velleda Caldas, Universidade Federal de Pelotas

Professora Adjunta do Departamento de Ciências Sociais Agrárias, Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial e Sistemas Agroindustriais, ambos da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (UFPel). Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas (2003), Mestrado (2008) e Doutorado (2011) pelo Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar pela Universidade Federal de Pelotas com período sanduíche no Departamento de Antropologia da Universidad de Sevilla. Atuou como visiting professor na Università della Calabria onde realizou estágio pós-doutoral junto ao Departamento de Ciência Política e Social. Experiência na área de Sociologia Rural, com ênfase em Agricultura Familiar, atuando especialmente nos seguintes temas: políticas públicas, sistemas de certificação, desenvolvimento rural, agricultura familiar, extensão rural e segurança alimentar.

Daiane Roschildt Sperling, Universidade Federal de Pelotas

Estudante de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar (PPG SPAF), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Graduada em Agronomia, pela Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, da Universidade Federal de Pelotas (2019). Estagiária do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Agroecologia e Políticas Públicas para a Agricultura Familiar (NUPEAR), da Universidade Federal de Pelotas (2014). Bolsista de Extensão PROBEC no projeto Ações estruturantes para agregação de valor em propriedades rurais em transição agroecológica (2015).Bolsista Iniciação Científica PIBIC/CNPq no projeto Espaços de resistência, espaços de afirmação: Agricultura familiar e certificação de orgânicos no sul do Brasil (2016-2017) Tem experiência na área de Agronomia, atuando nos seguintes temas: agroecologia, agricultura familiar, desenvolvimento territorial, diferenciação de produtos agroalimentares e segurança alimentar.

Publicado
2020-08-17
Seção
CBA - Construção do Conhecimento Agroecológico e Dinâmicas Comunitárias