Formação de Mudas de Tomate em Substratos de Baixo Custo de Aquisição em Produção Agroecológica

  • Josiane Souza Salles Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Gabriel Furlan Polo
  • Dayane Camargo Machado
  • Allan Paterlini
  • Henrique Marques Gracindo
Palavras-chave: Solanum lycopersicum, Carolina Soil, Vermiculita

Resumo

Substratos devem promover porosidade adequada, assim como fornecer nutrição necessária para a formação de mudas de qualidade. O objetivo consistiu em avaliar diferentes formulações de substratos de baixo custo de aquisição para produção de mudas de tomate em um sistema agroecológico. O experimento foi conduzido na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Cassilândia/MS, em telado agrícola com tela de monofilamento de 30% de sombreamento. Foram avaliados cinco substratos oriundos das combinações de diferentes proporções de substrato comercial Carolina Soil XVI e vermiculita de granulometria média, sendo estes: 0% de Carolina Soil + 100% de Vermiculita, 25% de Carolina Soil + 75% de Vermiculita, 50% de Carolina Soil + 50% de Vermiculita, 75% Carolina Soil + 25% de Vermiculita e 100% Carolina Soil + 0% de Vermiculita. Foram avaliados o índice de velocidade e porcentagem de emergência, altura de mudas, número de folhas, diâmetro do colo, massa seca da parte aérea, do sistema radicular e total. Os dados de porcentagem foram transformados em arco seno da raiz de x mais meio. Foi adotado o delineamento experimental inteiramente casualizado com 4 repetições de 10 plântulas. Os dados foram submetidos à análise de variância (teste F) e as médias comparadas pelo teste de tukey a 5% de probabilidade. O índice de velocidade de emergência no substrato S4 foi maior que nos substratos S1 e S2. Recomenda-se o substrato 75% de Carolina Soil + 25% de Vermiculita como alternativa viável para à redução de custos em produção agroecológica de mudas de tomate.

Publicado
2019-01-05
Seção
AGROECOL - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis