Da resistência à transição agroecológica no assentamento 72, Ladário/MS

uma história de luta

  • Elisângela de Souza Cunha UFMS/CPAN
  • Edgar Aparecido da Costa
  • Rozilene Cuyate
  • Beatriz Lima de Paula Silva
  • Alberto Feiden
Palavras-chave: Agricultura camponesa, Agroecologia, Empoderamento.

Resumo

A reforma agrária tem sido uma das formas de recriação do campesinato no Brasil. Entre “ganhar” a terra e permanecer nela existe um enorme abismo. São muitas carências, com destaque para a ausência ou deficiência da assistência técnica, o elevado custo da produção e os riscos na hora da comercialização. A agroecologia tem sido uma das alternativas para baratear o custo de produção e melhorar a alimentação das famílias. Os chamados circuitos curtos agroalimentares, como as feiras livres, representam boas possibilidades de venda dos produtos camponeses. O objetivo deste trabalho é descrever e discutir as dificuldades enfrentadas pelos camponeses para permanência no campo e a agroecologia como alternativa em um lote de assentamento rural, na fronteira do Brasil com a Bolívia. A entrevista com um casal de camponeses foi o principal procedimento metodológico adotado. O empoderamento camponês e as parcerias institucionais em torno de projetos de pesquisa são capazes de produzir importante sinergia na implantação de processos de transição agroecológica e de melhoria da qualidade de vida.

Publicado
2018-12-27
Seção
AGROECOL - Desenvolvimento Rural e Urbano em Bases Agroecológicas