Agrobiodiversidade Manejada em Quintais Agroflorestais Urbanos

Cultivo de Plantas Medicinais

  • Gelton Fernando de Morais UFSCar
  • Renata Evangelista de Oliveira
  • Adriana Cavalieri Sais
  • Luiz Octávio Ramos-Filho
Palavras-chave: Autonomia, Agroecologia, Fitoterápicos, Saberes Tradicionais, Agricultura Urbana.

Resumo

Este trabalho é um recorte de um projeto maior de iniciação científica, desenvolvido pelo mesmo autor, intitulado “Caracterização e mapeamento de quintais agroflorestais em paisagem urbana”. O presente trabalho objetiva identificar as espécies de plantas medicinais que são cultivadas em quintais de um bairro urbano, vizinho do Centro de Ciências Agrárias (CCA), o campus de Araras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O cultivo de plantas medicinais pelos/as moradores/as se mostra importante nos casos de combate imediato de algumas enfermidades de baixo risco, que podem ser tratadas em casa, sendo desnecessária, algumas vezes, a ida ao pronto-socorro. A utilização destas plantas também reduz custos com medicamentos, é um tratamento natural da enfermidade, evita o risco de efeitos colaterais dos medicamentos sintéticos, serve como tratamento preventivo e pode, ainda, aumentar a autonomia do/a morador/a que planta e se trata com suas ervas. Esta pesquisa buscou coletar e analisar informações sobre plantas medicinais no bairro Parque das Árvores, em Araras (SP), a fim de identificar as espécies cultivadas. A coleta de dados compreendeu visitas às residências do bairro. Foram incluídos na pesquisa os quintais com área permeável e plantios aos quais os moradores permitiram o acesso para levantamento das espécies. Foram visitadas 191 residências e incluídos 84 quintais no levantamento. Foram encontradas 34 espécies medicinais cultivadas, identificadas por nome comum e científico e categorizadas por forma de vida e função. Os resultados confirmam os quintais como espaços importantes para a diminuição da dependência de medicamentos industrializados.

Publicado
2018-12-29