Atividade Inseticida de Extratos de Plantas sobre Brevicoryne brassicae (L. 1758) (Homoptera: Aphididae) em Couve-Manteiga

  • Eliamara Marques Silva
  • Luciana Cláudia Toscano
  • Ana Carolina Sales Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Brássicas, plantas inseticidas, controle biológico.

Resumo

O pulgão-da-couve, Brevicoryne brassicae (L.) é uma importante praga associada ao gênero Brassica (L.) sendo considerada praga-chave da cultura da couve no Brasil. Objetivou-se avaliar a atividade inseticida de extratos hidroalcoólicos de diferentes plantas sobre a mortalidade de B. brassicae. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado, contendo oito tratamentos, sendo: T1: água destilada (testemunha); T2: extrato hidroalcólico de bulbo de alho (Allium sativum); T3: rizoma de gengibre (Zingiber officinale); T4: folhas de nim (Azadirachta indica); T5: folhas de arruda (Ruta graveolens); T6: folhas de canela (Cinnamomum verum); T7: folhas+ramos de graviola (Annona muricata) e T8: folhas + ramos de pinha (Annona squamosa), com dez repetições.Três ninfas foram depositadas sobre discos foliares de couve-manteiga com 5 cm de diâmetro, individualizados em placas de Petri de 9 cm de diâmetro contendo uma camada de algodão umedecido com água destilada. Com o auxílio de um pulverizador manual, os insetos receberam 2 mL-1 dos tratamentos por placa de Petri. As placas foram fechadas com filme plástico transparente e armazenadas em B.O.D a 26,0 ± 1,0 °C e UR de 70 ± 10%. Após 24 horas contou-se o número de ninfas mortas no disco foliar e fora do disco. Extratos hidroalcoólicos extratos hidroalcólicos de bulbo de alho; rizoma de gengibre; folhas de nim; folhas de arruda; folhas de canela; folhas + ramos de graviola e folhas + ramos de pinha possuem atividade inseticidas sobre a mortalidade de B. brassicae. Não foi observada repelência dos extratos sobre a praga.

Publicado
2019-01-05
Seção
AGROECOL - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis