Gongocompostagem a partir de resíduos de poda no município de São Sebastião - litoral norte de São Paulo

  • Luiz Fernando de Sousa Antunes Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro│Doutorando
  • Julia de Lima Krahenbuhl Bióloga e Permacultora urbana
  • Guilherme Rocha Dias Permacultor urbano
  • Maria Elizabeth Fernandes Correia Embrapa Agrobiologia - Pesquisadora
  • Norma Gouvêa Rumjanek Embrapa Agrobiologia - Pesquisadora
Palavras-chave: Gongolos; resíduos vegetais; composto orgânico; hortaliças.

Resumo

São relatadas aqui as experiências de um casal de permacultores urbanos que produzem artesanalmente húmus de minhoca e comercializam os excedentes em sua região. Guilherme e Julia conheceram a técnica da gongocompostagem em setembro de 2016, uma pesquisa inédita desenvolvida pelos pesquisadores da Embrapa Agrobiologia. A partir de então adaptaram e aplicaram em sua propriedade as técnicas geradas pela pesquisa e hoje produzem de 30 a 40 quilos de gongocomposto por mês, a partir de resíduos de poda urbana, tais como: folhas de bananeiras, helicônias, lírio do brejo, hibiscos e outras plantas utilizadas no paisagismo. O gongocomposto foi analisado e suas propriedades físico-químicas, químicas e físicas são semelhantes ao gongocomposto produzido na área experimental da Embrapa Agrobiologia. Ademais, ele proporciona a obtenção de mudas de qualidade e está sendo comercializado pelo casal, gerando uma renda extra e disponibilizando um composto orgânico de qualidade para a agricultura urbana.

Publicado
2020-05-19