As demandas da marcha das margaridas por outra produção: uma leitura a partir do entrecruzamento mulher/sem-terra

  • DE PAULA, Fernanda Folster Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Palavras-chave: gênero, reforma agrária, agroecologia, sem-terra, Marcha das Margaridas

Resumo

O presente trabalho pretende entender as demandas realizadas pelas mulheres sem-terra na
Marcha das Margaridas de 2015 por outra lógica de produção, a partir do cruzamento das categorias
“mulher” e “sem-terra”. Entendemos que as experiências (e demandas) das mulheres
sem-terra não pode ser subsumida apenas à uma dessas categorias, e é tal cruzamento que
permite entender a importância dada a agroecologia pela Marcha. A luta dos sem-terra se
coloca por democratização, pela distribuição de terra e reconhecimento da agricultura familiar
através das políticas públicas. Entretanto, as demandas das mulheres não estão circunscritas
à essas fronteiras: elas estão também diretamente ligadas ao papel que as mulheres ocupam
no mundo do trabalho, a esfera reprodutiva. Assim, elas também reivindicam saúde e qualidade
de vida no campo, e uma lógica produtiva de cooperação com a vida e com a natureza:
a agroecologia.

Publicado
2018-08-19