Adequação do uso da terra na bacia do rio Doce: potencialidades e limitações

  • Artur Telles Calegário Universidade Federal de Viçosa
  • Clívia Dias Coelho Universidade Federal de Viçosa
  • Felipe Bernardes da Silva Universidade Vale do Rio Verde
  • Demétrius David da Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Elpídio Inácio Fernandes Silva Universidade Federal de Viçosa
  • José Ambrósio Ferreira Neto Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Capacidade de uso da terra., Serviços ecossistêmicos., Gestão de bacias hidrográficas.

Resumo

A mais expressiva mudança na estrutura dos ecossistemas é a transformação de aproximadamente 24 % da superfície terrestre em agroecossistemas, sendo que a bacia hidrográfica do rio Doce possui em torno de 76 % da sua extensão territorial ocupada por atividades agrícolas. Considerando que as externalidades positivas e negativas advindas dos agroecossistemas são dependentes da maneira como os mesmos são manejados, objetivou-se nesse trabalho estimar a adequação do uso da terra (AUT) na bacia hidrográfica do rio Doce, assim como avaliar diferentes cenários de manejo dos agroecossistemas na manutenção do solo. Para determinar a AUT foi utilizada a metodologia de capacidade de uso da terra, sendo a esta comparada com o uso e cobertura da terra por meio de matrizes de confusão. Foram considerados três cenários: (I) manejo atual; (II) manejo conservacionista; e (III) manejo conservacionista agroflorestal. Constatou-se que 64,3 % da bacia está sendo utilizada acima da capacidade de uso, tendo como consequências diretas a redução da fertilidade natural do solo, empobrecimento da vida no solo, redução da infiltração de água com elevação da escassez hídrica em estações secas dentre outras. Por outro lado, verificou-se 25,7 % desta está sendo subutilizada, sendo 19,6 % devido à mata nativa, a qual devem ser preservadas por prover diversos serviços ambientais e por imposições legais. A AUT da bacia passa pela adoção de práticas conservacionistas de solo e água, sendo que a introdução do componente florestal assim como a incremento diversidade arbórea são importantes para otimizar da provisão de alimentos e preservação dos recursos naturais.

Publicado
2020-03-31