Uso da mão de obra na ocupação do solo pela pluriatividade da agricultura familiar

  • Adalgisa de Jesus Pereira Universidade Federal de Viçosa
  • Ricardo Henrique Silva Santos Universidade Federal de Viçosa
  • Felipe Carvalho Santana Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Diversificação., Labor., Agricultura familiar.

Resumo

A mão de obra é fator importante para a viabilidade de atividades agrícolas de propriedades familiares na Zona da Mata de Minas Gerais.O objetivo deste trabalho foi identificar a dinâmica da mão de obra no manejo do solo que favorece a agrobiodiversidade. Esta pesquisa foi conduzida em propriedades familiares e foi aplicada a metodologia da matriz de atividades e de alocação de mão de obra afim de registrar a ocupação em 25 propriedades dos municípios de Cajuri, Canaã, Coimbra, Ervália e São Miguel do Anta. As matrizes de alocação de mão de obra elencaram as principais e mais recorrentes atividades (café, milho, pecuária e quintal/horta).Os dados agrupados mensalmente geraram os valores de demanda anual.Os resultados indicam que os cultivos de café demandam mão de obra para capina/roçada em quase todo o ano. O cultivo de milho demanda maior mão de obra de outubro a dezembro, época de preparo do solo, plantio e tratos culturais iniciais. Atividades como a pecuária e a produção de hortaliças tendem a demandar menor quantidade de mão de obra, entretanto, tais demandas são mais constantes ao longo do ano. A dinâmica de alocação da mão de obra pode-se associar a possibilidade de manutenção de solo em produção agrícola decorrentes da pluriatividade. Pode-se inferir que as épocas de menor demanda de mão de obra em atividades como milho e café, permitem o manejo diário no quintal/horta fazendo com que a agrobiodiversidade seja capaz de implementar a riqueza de espécies nesses locais.

Publicado
2020-04-08