Práticas Sustentáveis e Saberes-Fazeres: Os Camponeses Guardiões de Sementes no Assentamento São Judas, Rio Brilhante – MS, Brasil

  • Francieli Aparecida Zenatti 2Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Faculdade Intercultural Indígena, Programa de Pós-Graduação em Educação e Territorialidade
  • Rodrigo Simão Camacho Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Faculdade Intercultural Indígena, Programa de Pós-Graduação em Educação e Territorialidade
Palavras-chave: Campesinato. Saberes Tradicionais. Sementes Crioulas. Práticas Sustentáveis

Resumo

A pesquisa foi realizada no assentamento São Judas, Rio Brilhante - MS, com uma família camponesa que tem como prática tradicional a conservação de sementes crioulas. As sementes são de “milho maisena”, “milho pipoca” e “amendoim”. No desenvolvimento desse trabalho entrevistamos os guardiões de sementes crioulas, observamos suas práticas e fizemos uma discussão teórica sobre a relação entre saberes populares camponeses e sementes crioulas. Os objetivos desta pesquisa foram: entender como ocorre o processo de conservação das sementes crioulas; compreender os desafios que os camponeses enfrentam na atualidade com a hegemonia de transgênicos e agrotóxicos; mostrar a importância das sementes enquanto garantidora da reprodução camponesa e a sua autonomia; e demonstrara relação entre o modo de vida camponês e a agricultura sustentável. Durante esse trabalho ficou evidente o valor social do conhecimento tradicional/popular camponês para a prática de conservação de sementes crioulas.

Publicado
2020-11-03