Sobrevivência de Bradyrhizobium sp. em Sementes de Feijão-caupi Tratadas com Carbendazim e Inoculante Formulado com o Polímero Carboximetilcelulose

  • Delineide Pereira Gomes Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Luis
  • Vanessa Cristina Macêdo Reis Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Luis
  • Thiago Palhares Farias Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Luis
  • Luciene Ferreira dos Santos Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Luis
  • Érica Garcia França Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Luis
  • Narjara Greicy Reis Cunha Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Luis
  • Jean Magalhães da Silva Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus São Raimundo das Mangabeiras
  • José Flavio Ferreira de Sousa Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Campus Caxias
Palavras-chave: Vigna unguiculata, Rizóbio, Polímero

Resumo

Fungicidas associado a inoculantes pode reduzir a sobrevivência de rizóbio em sementes. O objetivo foi avaliar a sobrevivência de Bradyrhizobium sp. em sementes de caupi tratadas com carbendazin e com inoculantes formulados com carboximetilcelulose (CMC). Sementes foram inoculadas com uma estirpe de Bradyrhizobium. O CMC foi empregado em dez concentrações. A sobrevivência da estirpe foi avaliada aos 0, 1, 2, 3, 4, 12, 24, 96, 192 e 768 h de armazenamento das sementes tratadas com esses produtos. O número de células viáveis ​​foi obtido pela contagem das unidades formadoras de colônias, pelo método das diluições seriadas. Concentrações como 0.25 e 0.75 g/L do CMC foram capazes de manter a viabilidade celular por 768 h após o tratamento com carbendazin. Mesmo sem um padrão de crescimento, a combinação do inoculante veiculado pelo CMC com o carbendazim permite a sobrevivência do rizóbio, em muitas das concentrações do polímero e em alguns dos períodos de armazenamento das sementes.

 

Publicado
2020-11-20