Trocas de sementes crioulas de milho no Sudoeste Paulista

  • Laís Stefany de Carvalho Falca Lima Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, Centro de Ciência Agrárias da Universidade Federal de São Carlos UFSCar
  • Weldy Saint-Fleur Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, Centro de Ciência Agrárias da Universidade Federal de São Carlos UFSCar
  • Davi Schmidt Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, Centro de Ciência Agrárias da Universidade Federal de São Carlos UFSCar
  • Cristina Fachini Instituto Agronômico da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo
  • Victor Augusto Forti Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Centro de Ciências Agrárias
Palavras-chave: Agricultura familiar; comunicação; feiras de sementes; geolocalização; milho crioulo.

Resumo

As sementes crioulas de milho estão presentes em propriedades de agricultores familiares no interior do estado de São Paulo. Suas trocas ocorrem há anos e são essenciais para a permanência no território. Objetivou-se localizar as propriedades familiares mantenedoras de sementes crioulas de milho e verificar quais relações de trocas de sementes ocorreram em 2019, na região do Sudoeste Paulista. Foram entrevistados 12 agricultores familiares que cultivam milho crioulo nessa região e suas propriedades foram geolocalizadas. Existem quatro núcleos de trocas de sementes e três indivíduos que não realizam trocas. Há relações de troca de reciprocidade entre os agricultores familiares considerados “guardiões” da diversidade genética local. A realização de feiras de troca de sementes facilita o processo de comunicação entre os indivíduos, proporciona a manutenção das variedades de milho crioulo e aumenta a diversidade de variedades crioulas de outras culturas para a região do Sudoeste Paulista.

 

Publicado
2020-11-25