Qualidade fisiológica de sementes crioulas de milho produzidas no Oeste Potiguar

  • Kelem Cristiany Nunes Silva Engenheira Agrônoma, pesquisadora autônoma
  • Clarisse Pereira Benedito Engenheira Agrônoma, Dra, Professora do Departamento de Ciências Agronômicas e Florestais, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Hanna Lanier de Oliveira Graduanda em Agronomia, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Simara Silva Melo Graduanda em Agronomia, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Linara Ferreira Sousa Silva Graduanda em Agronomia, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Palavras-chave: Poaceae, Agricultura Familiar, Qualidade fisiológica

Resumo

A avaliação da qualidade das sementes através dos testes de germinação e vigor representa um auxílio importante para os agricultores, com o intuito de selecionar os lotes de melhor qualidade. Dessa forma, objetivou-se avaliar a qualidade fisiológica de sementes crioulas de milho (Zea mays L.) através do teste de germinação e primeira contagem (vigor). Foram avaliados 15 lotes de milho crioulo adquiridos onze comunidades rurais distribuídas em sete regiões do Oeste Potiguar do Estado do RN. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com oito repetições de 50 sementes. O teste de germinação foi instalado em papéis toalha, umedecidos com água destilada e mantidos em câmara de germinação a 30 °C com fotoperíodo de 12 horas. A primeira contagem foi realizada no quarto dia após a semeadura e a porcentagem de germinação no sétimo dia contabilizando a porcentagem de plântulas normais. A maioria dos lotes avaliados apresentam elevada qualidade fisiológica.

Publicado
2020-11-25