QUINTAIS PRODUTIVOS: O OLHAR FEMINISTA TRANSFORMANDO “PEQUENOS” ESPAÇOS EM GRANDES EXPERIÊNCIAS AGROECOLÓGICAS

  • Cleidineide Pereira de Jesus
  • Deborah Murielle Santos
  • Iridiani Graciele Seibert
  • Michela Calaça
Palavras-chave: Agroecologia; Feminismo Camponês Popular; Movimento de Mulheres Camponesas; Quintais produtivos; Políticas Públicas.

Resumo

Com este artigo objetiva-se discutir como a organização das mulheres camponesas a partir do
feminismo e da agroecologia possibilitou uma valorização de um espaço de produção
importante historicamente para a soberania alimentar das famílias camponesas, mas que não
era visto, nem valorizado, pois quem produz nesse lugar, chamado quintal, são as mulheres. A
experiência que apresentamos é a organização produtiva dos grupos informais e associações de
mulheres organizadas politicamente no Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) da região
oeste do estado da Bahia, abrangendo de forma direta, aproximadamente 1000 mulheres. A
metodologia utilizada passa pela epistemologia feminista e agroecológica e pela observação
participante, ferramenta metodológica que nos permite observar os sujeitos de pesquisa em sua
vivência cotidiana, mas também participar de alguma forma dessa construção. Como resultados
encontrados, citamos a valorização do trabalho na produção dos quintais produtivos, construção
de autonomia e geração de renda monetária para as mulheres, garantia da soberania alimentar
e, principalmente, o reconhecimento de uma experiência que se torna um exemplo para
mudanças nas relações de gênero e de transição agroecológica em todo a unidade de produção
e para construção de políticas públicas especificas para a organização produtiva das mulheres
rurais.

Publicado
2021-07-14
Seção
Trabalhos apresentados sobre Mulheres, Feminismos e Agroecologia