Agroecologia e o PAN Lagoas do Sul: co-existência entre práticas sustentáveis e tradicionais e espécies ameaçadas de extinção

co-existência entre práticas sustentáveis e tradicionais e espécies ameaçadas de extinção

  • Lilith Schneider Bizarro PGDR/AsSsAN Círculo/UFRGS
  • Roberta Aguiar CEPSUL/ICMBio
  • Walter Steenbock CEPSUL/ICMBio
  • Ricardo Mello UERGS
  • Gabriela Coelho-de-Souza PGDR/AsSsAN Círculo/UFRGS
Palavras-chave: políticas públicas, conservação da biodiversidade, práticas agroecológicas, povos e comunidades tradicionais

Resumo

O PAN Lagoas do Sul tem como objetivo melhorar o estado de conservação das espécies ameaçadas e dos ecossistemas das lagoas da planície costeira do sul do Brasil, promovendo os modos de vida sustentáveis e/ou tradicionais associados ao território. Objetiva-se analisar a co-existência de espécies ameaçadas de extinção e usos e práticas nos ecossistemas, a partir de metodologia envolvendo a avaliação de: a) espécies ameaçadas de extinção e ecossistemas aquáticos e terrestres de sua ocorrência; b) usos praticados nesses ecossistemas; c) ações do PAN. As 29 espécies de fauna ameaçadas no território do PAN se distribuem em 9 tipos de ecossistemas, todos contemplados com ações do plano. Das 157 ações, 19,7% são agroecológicas, No contexto do PAN Lagoas do Sul, a agroecologia é uma forte aliada dessa política pública, colaborando para o alcance das Metas de Aichi, por meio da conservação de espécies, promoção do desenvolvimento sustentável, e proteção do bem comum em uma cultura de bem viver.

Publicado
2022-03-21