Efeitos provocados por neonicotinóides sobre abelhas e seu serviço ecossistêmico de polinização

  • Paloma Estefane Santana Ferreira Universidade Federal do Paraná
  • Rafaela Dembiski Lopes
  • Afonso Takao Murata
Palavras-chave: Polinizadores, Declínio, Toxicidade

Resumo

As abelhas movimentam a economia pelo seu serviço de polinização, mas também são essenciais para o ecossistema. Nos últimos anos a população de polinizadores tem decrescido devido a atividades antrópicas insustentáveis, como a utilização de neonicotinóides na agricultura. A avaliação de riscos de agrotóxicos ainda não existentes no Brasil, se tornou mais rígida diante da mudança realizada pelo IBAMA, afim de diminuir o desaparecimento e declínio de agentes polinizadores. A ANVISA modificou a classificação de agrotóxicos de acordo com seu ingrediente ativo ou organismo alvo, os grupos dos neonicotinóides apresentaram grande toxicidade, sendo nocivos para a maioria dos insetos. Os acaricidas/inseticidas são responsáveis pela mortalidade de abelhas, além de interferir no processo de polinização. Alternativas ecológicas e sustentáveis como a preservação dos habitats de abelhas, policultivo e não utilização dos agrotóxicos dentro do agroecossistema são medidas ecológicas para diminuir a mortalidade das abelhas. Este trabalho teve por objetivo estudar os efeitos provocados por neonicotinóides sobre abelhas e seu serviço ecossistêmico de polinização.

Publicado
2022-03-21