Cultura e Educação do Sensível no Espaço Agroecológico da Várzea, Recife/PE, Brasil

  • Edneida Rabêlo Cavalcanti Fundação Joaquim Nabuco
  • Silvana Maria de Lemos
  • Maria Elisa Tavares Moreira
  • Giovana Carina da Silva
  • Benedito Medrado
  • Marcos Antônio Bezerra Figueiredo
Palavras-chave: Agroecologia, Cultura, Educação sensível, Direitos humanos

Resumo

O presente trabalho apresenta a experiência da Barraca Paulo Freire, concebida no contexto de planejamento, organização e realização do Espaço Agroecológico da Várzea, Recife, Pernambuco, a partir da articulação entre a comercialização e a educação em agroecologia. Tal iniciativa parte da compreensão de que, para além da comida sem veneno, agroecologia significa a defesa de uma vida plena onde corpo, espírito, mente e comunidade devem estar saudáveis para que a vida aconteça da melhor forma. Nesse sentido, valoriza o lugar do encontro e se abre para a perspectiva da educação popular e da educação sensível, que se volta para a estética social, para as culturas, para as subjetividades. Parte também do reconhecimento da importância da experiência e do processo de construção a muitas mãos, onde cada integrante traz o seu saber, a sua bagagem, perfazendo um espaço diverso, articulado com a ideia de agroecologia como ciência, prática e movimento.

Publicado
2022-03-21
Seção
RTA - Ética, epistemologia, formação e construção do conhecimento agroecológico